07 abr 2017
reflexão social

A série Black Mirror da Netflix, olha para mundos futuristas que não estão tão distantes de nossas vidas hoje. O primeiro episódio da última temporada mostra uma sociedade que opera em torno de avaliações pessoais.

(Alerte de spoiler) As pessoas se classificam depois de qualquer tipo de contato – recebendo café, falando no elevador, andando na rua. Sua classificação afeta seu status social e dependendo do seu status você pode comprar melhores casas, alugar melhores carros e até mesmo ter melhores amigos. Quando o personagem principal fica obcecado com sua avaliação, a vida ideal que ela construiu para si mesma rapidamente se desmorona.

Lacie de Black Mirror - Episódio "Nosedive"

Lacie de Black Mirror – Episódio “Nosedive”

O episódio parece um pouco fútil, mas a mensagem é importante. Este mundo, onde as pessoas são a soma da pontuação que lhes é dada, não é diferente do nosso. Nós somos obcecados pelos likes no Instagram, classificamos nossos motoristas do Uber, damos dicas de produtos e serviços via Foursquare. A internet tornou mais fácil atribuir valor a quase tudo, inclusive pessoas.

Quando nós procuramos algo na internet é assim “Qual é o melhor tatuador do Brasil” ou “melhor lugar para almoçar na Paulista” Graças a Amazon, nós podemos ler revisões de 10 livros diferentes e ter o melhor do ranking na nossa casa dentro de poucas horas. É, nos acostumamos a ter o melhor ao nosso alcance em todos os momentos.

É um privilégio ter tanta informação disponível e de fácil acesso, podemos escolher qualquer coisa que queremos em diferentes cores, formas e tamanhos. Comentários e classificações podem nós proteger de alimentos que não agradam a maioria em um restaurante. Eles nos ajudam a evitar a perda de tempo e dinheiro com produtos ou experiências que são coletivamente considerados ruins.

ds_design_strategy

Black Mirror – Episódio “Nosedive”

Nas ultimas férias que passei na Argentina e no Uruguai fiquei com a minha cabeça para baixo por horas, estava determinado a encontrar a melhor paisagem, passeio, bar ou restaurante nos meus aplicativos do celular. Eu desperdicei horas comparando revisões e comentários sobre produtos quase idênticos. Eu depositei a minha confiança em pessoas que que talvez não se pareçam nada comigo, e que podem ter um gosto diferente dos meus, e eu estava seguindo aquelas dicas só porque estava ali, na palma da minha mão.

reflexão social

Reflexão Social

Esta obsessão com ter o melhor e ser o melhor esta infiltrado em cada canto de nossas vidas. Quantos vezes nos estamos em um lugar e pensamos se estamos perdendo algo melhor? Quanto tempo nós passamos olhando o nossos aplicativos, esperando por likes alheios, ou conferindo pra ver se outras pessoas não estão fazendo algo melhor que nós?

Uma vida de cinco estrelas não significa uma vida plenamente vivida.

Quando baseamos nossas vidas na opinião dos outros, perdemos a plena experiência da descoberta vivida por nós mesmos. Nos privamos de nossa bela capacidade de formar nossa própria opinião. Cinco estrelas, neste mundo imperfeito, não existem.

Isso não quer dizer que não podemos avaliar a qualidade. Isso não significa que não devemos ter altos padrões ou cuidados sobre o sucesso. Isto é dizer que às vezes nós poderíamos levantar o telefone e parar de nos preocupar com o que poderia ser melhor e descobrir o que realmente nos agrada.

Com a nossa cabeça fora da internet e os nossos olhos no horizonte, podemos descobrir algo novo e desconhecido, sem classificação e sem comentários. Poderíamos definir melhor o nosso gosto pessoal fora do que os críticos têm a dizer sobre isso. Nós poderíamos viver uma vida real, sem curadoria, que não precisa começar com os melhores lugares, mas que possibilite você definir o que é bom e o que é ruim, se permita a explorar lugares que não são tão bons mas que podem lhe trazer lembranças ótimas. O mundo não precisa ser um lugar perfeito.

Tenha uma ótima semana,
_
DS

1 Comments

  1. Bablofil disse:

    Thanks, great article.

Post a comment